Apoio Pedagógico Complementar: priorização curricular para alfabetização

-

Apoio Pedagógico Complementar: priorização curricular para alfabetização

Diante dos desafios do ensino remoto, educadoras(es) da Paraíba aprenderam a montar um plano de ensino de Língua Portuguesa, definindo as habilidades essenciais da BNCC para alfabetização
Imprimir

Por Breno Procópio

Quais os desafios para alfabetizar em um formato de ensino não presencial? E que conteúdos priorizar para que as crianças formem uma base de habilidades em leitura e escrita, e possam avançar nos primeiros anos do ensino fundamental?

Educadoras(es) de Mogeiro, no interior da Paraíba, verificaram que a principal dificuldade de aprendizagem de suas(seus) estudantes em Língua Portuguesa são as habilidades linguísticas na alfabetização. Como conta a coordenadora Márcia Gomes dos Santos Silva, técnica da Secretaria de Educação de Mogeiro (PB):

Foto: arquivo pessoal

A leitura e a interpretação do texto têm sido um grande desafio no nosso município, as(os) alunas(os) do 2º e 3º ano, em sua maioria, ainda não conseguiram consolidar a alfabetização. Com isso, sentem dificuldades na leitura de frases e para fazer inferência com base na informação implícita do texto.” 

Márcia Gomes dos Santos Silva 

Diagnóstico similar ocorreu na cidade vizinha de Itabaiana (PB), onde a Secretaria de Educação aplicou a avaliação diagnóstica e detectou dificuldades de aprendizagem em leitura, compreensão textual e identificação dos fonemas por parte das crianças que estão no 2º e 3º ano do ensino fundamental.

Mogeiro e Itabaiana fazem parte das 13 cidades atendidas pelo Programa  Melhoria da Educação: Apoio Pedagógico Complementar (APC), no âmbito da parceria entre Itaú Social/Cenpec com o Consórcio Intermunicipal de Gestão Pública Integrada nos Municípios do Baixo Paraíba (Cogiva).

A partir da percepção de que a alfabetização tem sido um dos principais desafios para os municípios do Cogiva em contexto de ensino remoto, o módulo de Língua Portuguesa do APC voltou seus esforços para apresentar os Mapas de Foco. Essa ferramenta, desenvolvida pelo Instituto Reúna, também em parceria com o Itaú Social, tem o objetivo de ajudar a orientar a flexibilização curricular e a escolha de conteúdos prioritários diante do cenário da pandemia.

Os encontros formativos envolvem 246 cursistas — sendo 180 gestores(as) escolares e 66 técnicos(as) das secretarias de educação. Segundo Patrícia Calheta, formadora do módulo Língua Portuguesa do APC, a maioria das(os) cursistas não conhecia a ferramenta, e perguntava como podia dar conta do conteúdo da BNCC em um contexto de ensino à distância com tantas dificuldades. 

Foto: reprodução

No primeiro encontro, o exercício foi apresentar os Mapas de Foco em Língua Portuguesa e o porquê dessa priorização. Ou seja, mostramos que, com a ferramenta, técnicas(os) e gestoras(es) escolares podem olhar para o currículo de Língua Portuguesa e entender quais conteúdos devem ser priorizados em cada ano de ensino. E tem mais: além de definir as habilidades prioritárias, é preciso definir as atividades em sala de aula que vão favorecer a aprendizagem daquele conhecimento.” 

Patrícia Calheta

Definindo conteúdos prioritários em Língua Portuguesa

E quais conteúdos de Língua Portuguesa devem ser priorizados nas turmas de 1º ao 5º ano do ensino fundamental? No caso da etapa de alfabetização, a priorização curricular das habilidades precisa contemplar os quatro eixos da BNCC Língua Portuguesa:

  • Leitura;
  • Produção escrita;
  • Oralidade; e
  • Análise linguística.

As habilidades priorizadas em cada ano do Ensino Fundamental devem contemplar esses quatro eixos. No ciclo de alfabetização (1º e 2º ano), um importante conjunto de habilidades a ser trabalhado refere-se ao eixo da Análise linguística. Nesse eixo, o foco é o domínio do sistema de escrita alfabética, buscando as relações entre sons e letras. Assim, as(os) docentes desenvolvem um trabalho com base na investigação das hipóteses de escrita de cada criança, visando aos avanços na aprendizagem.” 

Patrícia Calheta

A formadora explica que, além dessas habilidades, devem ser trabalhadas as habilidades do eixo da leitura, “a partir do entendimento de que nenhuma criança se alfabetiza refletindo apenas sobre letras e sons isolados, mas sim inserida em situações de aprendizagem guiadas por práticas sociais de leitura e de escrita”.

Desse modo, a habilidade em leitura está ligada à ideia do(a) professor(a) como leitor de diferentes gêneros discursivos para a criança, bem como a apropriação de habilidades de leitura vinculadas a capacidades, comportamentos e procedimentos leitores.

No eixo da produção escrita, a elaboração de textos é trabalhada pelo desenvolvimento de habilidades-foco que resgatam a articulação dos quatro eixos de ensino:

Por exemplo, nas atividades de leitura, a criança é apresentada a diversos textos de um mesmo gênero discursivo, como o poema, e passa a compreender características desse gênero; pela análise linguística, analisa elementos presentes em poemas e, ainda, pela oralidade, na declamação de poemas, compreende os efeitos das rimas nos sentidos do texto. Assim, reflexões como essas promoverão a condição de a criança escrever um poema de acordo com as características do gênero.”

Patrícia Calheta

Por fim, temos o eixo da Oralidade. A proposta na priorização curricular é desenvolver atividades que favoreçam, por exemplo, a habilidade de recitar parlendas e trava-línguas

Patrícia explica que a chave é eleger gêneros discursivos previstos na BNCC para a ação pedagógica e, com base neles, articular os eixos de ensino selecionando habilidades da BNCC apresentadas nos Mapas de Foco. Como acontece nas sequências didáticas, uma metodologia defendida no Programa. 


Mapas de Foco no planejamento pedagógico

Alguns dos municípios integrantes do Cogiva atendidos pelo APC na Paraíba já começaram a usar os Mapas de Foco para apoiar o planejamento pedagógico. A Secretaria de Educação de Mogeiro, por exemplo, resolveu ampliar a priorização curricular para todas as turmas da sua rede de ensino, a partir do entendimento que a tecnologia educacional passaria a beneficiar professoras(es) e estudantes no ensino e aprendizagem.

É o que relata a técnica Márcia Gomes dos Santos Silva:

Apresentamos os mapas de foco a toda rede na jornada pedagógica, no início do ano letivo, e desde então temos oferecido formação continuada aos professores no chamado Horário de Trabalho Pedagógico Coletivo (HTPC). Outra ação articulada da equipe é a seleção de objetos de conhecimento a cada quinzena, com foco nas unidades temáticas prioritárias para que as(os) professoras(es) possam pensar em atividades significativas para as(os) estudantes.”

Márcia Gomes dos Santos Silva 

O município de Itabaiana seguiu um percurso similar ao de Mogeiro, reestruturando o seu planejamento pedagógico de 2021 com base na priorização curricular. De acordo com Sandra Maria Santos da Silva, pedagoga e especialista em Supervisão Escolar, a formação do APC ajudou técnicos e gestores escolares de Itabaiana a refletir sobre as habilidades, sequências didáticas e a priorização das aprendizagens no atual contexto social do país.

Foto: arquivo pessoal

Aprendemos com os mapas de foco que definir as habilidades essenciais em Língua Portuguesa, na atual conjuntura de ensino, pode garantir a base de aprendizagem por parte dos estudantes nos ciclos iniciais do Ensino Fundamental. Com isso, conseguimos assegurar o desenvolvimento dessas crianças nos anos subsequentes, e sem maiores perdas nas suas trajetórias educacionais.”

Sandra Maria Santos da Silva

Já no município de Pilar (PB), os mapas de foco foram importantes para o planejamento pedagógico da equipe técnica da Secretaria de Educação, ao proporcionar um alinhamento melhor entre a expectativa das metas educacionais e a realidade de crise sanitária e ensino remoto. A técnica Jeanne Karla Abrantes Pereira de Sá conta:

Foto: arquivo pessoal

Há muito tempo que ouvíamos sobre a priorização curricular, mas na prática não conseguíamos efetivar, pois sempre ficava a dúvida em relação ao que seria realmente importante priorizar em cada ano. Como selecionar alguns conteúdos sem deixar uma lacuna na aprendizagem e formação das(os) estudantes?

Jeanne Karla Abrantes Pereira de Sá

Segundo a técnica, essas e outras questões foram respondidas na formação do APC.

Conseguimos perceber que é necessário estabelecer critérios e conhecer o currículo de todos os anos escolares, a fim de realizar essa priorização com a garantia de aprendizagem significativa sem perdas para as(os) estudantes. No modelo de ensino remoto, isso foi de grande importância, visto que seria impossível abordar todas as habilidades propostas em cada ano. Com a priorização curricular, asseguramos um planejamento mais adequado a realidade.”

Jeanne Karla Abrantes Pereira de Sá


Veja também