Brincando no baú da oralidade

-

Brincando no baú da oralidade

As brincadeiras orais fazem parte da cultura popular brasileira. Como elas podem contribuir para a educação infantil?
Imprimir

Um, dois, feijão com arroz. Uni duni tê, salamê minguê. Rei, Capitão, Soldado, Ladrão… Quem nunca brincou com esses pequenos versos, acompanhados de palmas, batidas de pé ou outros gestos? Eles são exemplos muito conhecidos de parlenda, parte da tradição oral do nosso povo.

Parlenda é um conjunto de palavras com pouco ou nenhum nexo lógico e de caráter lúdico. Constituída por rimas simples e versos curtos, ritmo fácil, tem a função de divertir, entreter ou acalmar crianças, compor uma brincadeira ou ajudar na memorização de números, dias da semana, cores etc.

Parlenda

Mas de onde vem essa brincadeira?  As parlendas chegaram ao Brasil com os portugueses, que as chamam de cantilenas ou lenga-lengas. Aqui ganharam novas cores e sonoridades, enriquecidos pelas contribuições linguísticas e culturais dos povos indígenas e africanos.

Acalanto

Elas se distinguem dos acalantos (cantigas para fazer criança dormir), dos jogos (caracterizados pela competição entre os participantes), das cantigas de roda, das adivinhas ou charadas (‘o que é o que é”) e das superstições e simpatias.

Brinco

Há também os brincos, que são parlendas mais fáceis, ditas e recitadas pelos pais, avós, educadores ou cuidadores para entreter ou acalmar os bebês e as crianças bem pequenas.

Brincadeiras orais na educação infantil

Resultado de imagem para Lenice Gomes e Fabiano Moraes e autores do livro Alfabetizar letrando com a tradição oral (2013):
Capa do livro. Reprodução

Qual é a importância das brincadeiras de tradição oral para o desenvolvimento das crianças pequenas? Segundo os pesquisadores Lenice Gomes e Fabiano Moraes, autores do livro Alfabetizar letrando com a tradição oral (São Paulo: Cortez, 2013):

A palavra, o verbo, a linguagem e o ato de narrar são criadores e transformadores. Ao homem é concebido este dom que traz em si o poder da escolha, da mudança e do discernimento. O dom de transitar dos mitos às recriações, da tradição oral aos escritos para crianças.

Resultado de imagem para Claudia Lemos Vóvio
Claudia Vóvio

Para a especialista Claudia Lemos Vóvio, professora de alfabetização e letramento na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), é fundamental a todo alfabetizador conhecer bem o repertório da infância: a brincadeira, a oralidade, a literatura infantil são aliadas do ensino-aprendizagem da língua escrita, aproximando a criança do universo letrado. Confira a entrevista.

Magda Soares

A professora emérita da Universidade Federal de Minas Gerais Magda Soares, em entrevista ao CENPEC, também destaca a importância de jogos e brincadeiras com palavras, como a parlenda, para a aprendizagem da língua escrita.

Quando a professora trabalha com parlendas que não têm sentido, a criança volta sua atenção para os sons das palavras. Dessa forma, ela está desenvolvendo consciência fonológica, ou seja, a compreensão de que a escrita é a representação gráfica da fala.”

Magda Soares


Mais sobre cultura oral

Oficina Palavra-brinquedo: fazer poesia e se divertir. Manoel de Barros é a inspiração desta oficina que nos convida a brincar com palavras

Pé de palavra: conheça o trabalho do educador e rapper P.MC, que trabalha letramento e oralidade com crianças misturando brincadeiras orais ao rap

ContaCausos. Reprodução

Que tal relembrar parlendas no site ContaCausos? Lá há um banco de áudios com 77 parlendas que podem ser usadas em muitas brincadeiras com as crianças

Murucututu: ouça um acalanto do nosso repertório oral