Gestores e professores articulados em torno da alfabetização

-

Gestores e professores articulados em torno da alfabetização

Início da formação presencial do Projeto Letra Viva Alfabetiza (CENPEC Educação) no polo Apiaí. Fotos: acervo CENPEC
Imprimir

Em fevereiro, iniciou-se o segundo ano de formação presencial do Projeto Letra Viva Alfabetiza no polo Apiaí, em continuidade à parceria estabelecida entre o CENPEC Educação e as redes de ensino locais. Esse polo é composto pelos municípios de Apiaí, Barra do Chapéu, Itaoca, Itapirapuã Paulista e Ribeira, região do Vale do Ribeira, sul do estado de São Paulo. Os encontros de formação aconteceram entre 9 e 10/2.

encontro com Núcleo de Alfabetização e Letramento
Encontro com Núcleo de Alfabetização e Letramento

No primeiro dia, a coordenadora do projeto, Maria Alice Junqueira, e a formadora Patrícia Calheta se reuniram com coordenadores pedagógicos e técnicos das secretarias de educação dos cinco municípios.

No dia 10, a escola Profª Honorina Albuquerque sediou o encontro do Núcleo de Alfabetização e Letramento, formado por técnicos das secretarias de educação, coordenadores pedagógicos e um professor alfabetizador de cada escola dos municípios participantes.

Nesse encontro, o grupo começou a elaborar sequências didáticas de leitura e de escrita que serão desenvolvidas ao longo de 2020 na educação infantil e nos anos iniciais do ensino fundamental das escolas dessas redes.


Importância das visitas técnicas às escolas e observação em sala de aula

 Reunião com coordenadores pedagógicos
Reunião com coordenadores pedagógicos

Na formação com os técnicos das secretarias, discutiu-se o papel desses profissionais na formação dos coordenadores pedagógicos e de diretores de escola. Nesse sentido, ressaltou-se a importância das visitas técnicas às escolas e de se definir o foco de cada visita para que se saiba o que observar e registrar.

Com os coordenadores pedagógicos, discutiu-se seu papel na formação docente e falou-se na importância da observação em sala de aula e das devolutivas aos professores para o aprimoramento de seu trabalho.


Diagnóstico de alfabetização: ninguém para trás

Entre os dias 4 e 10/3, os cinco municípios realizaram o 1º diagnóstico do ano para avaliar os níveis de escrita dos alunos da educação infantil (4 e 5 anos) e do 1º ao 3º ano do ensino fundamental.

O objetivo é monitorar a aprendizagem dos estudantes desde o início do ano para que nenhuma criança fique para trás. Os resultados serão enviados ao CENPEC Educação para elaboração de gráficos que mapearão o desempenho dos alunos.

As metas a serem alcançadas em cada ano escolar foram discutidas e acordadas com os técnicos das secretarias e estão em consonância com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC).


Por que desenvolver sequências didáticas?

Analisando gêneros discursivos. Foto: acervo CENPEC
Patricia Calheta com Núcleo de Alfabetização e Letramento analisando gêneros discursivos

No encontro do Núcleo de Alfabetização e Letramento, discutiu-se com os professores, coordenadores pedagógicos e técnicos das secretarias a contribuição das sequências didáticas para a apropriação dos diferentes gêneros do discurso.

Os educadores analisaram alguns livros para identificar diferentes tipos de texto: narração, relato, exposição, argumentação e instrução. Como informa a coordenadora do projeto:

Nosso objetivo com essa atividade foi aprofundar os conhecimentos de todos para, em seguida, iniciar a elaboração de sequências que possibilitem aos nossos alunos apropriarem-se de diversos gêneros do discurso.”

Maria Alice Junqueira
Maria Alice Junqueira
Foto: acervo CENPEC

Sobre a importância de trabalhar com sequências didáticas na alfabetização, a especialista explica:

Trata-se de uma estratégia que permite articular a faceta linguística à faceta do letramento na alfabetização. Ao longo de 2020, a cada encontro presencial, vamos construir as etapas de uma sequência didática que será aplicada na sala de aula.”

Maria Alice Junqueira

As formações presenciais estarão intimamente ligadas a dois cursos a distância, um deles apresentando princípios didáticos para produção textual e outro com orientações para a revisão de textos na alfabetização. Atualmente, a participação nos cursos on-line do Letra Viva é fechada a professores, coordenadores pedagógicos e técnicos das secretarias de Educação dos municípios integrantes do polo Apiaí.


Fruto da parceria iniciada em 2016 entre o CENPEC Educação e Magda Soares (UFMG), o projeto Letra Viva Alfabetiza leva a metodologia desenvolvida pela docente em Lagoa Santa (MG) a outros municípios brasileiros.

Com duração prevista de dois anos, o projeto busca qualificar processos e práticas de alfabetização e letramento por meio de formação de rede, em parceria com as secretarias municipais de Educação. Saiba mais.


Veja também

Alfabetizar letrando é o caminho do meio

Letramento e/ou literacia?

Disputa ou diálogo entre métodos de alfabetização?

Múltiplos saberes em torno da alfabetização

Diretrizes para uma política de alfabetização