Rap e letramento

-

Rap e letramento

Autoria: Educação&Participação (com base nas oficinas desenvolvidas pelo arte-educador e rapper P.MC, o Mestre Pê)
Imprimir
O que é?

Criação de textos com rima em ritmo de rap

Material
  • Folhas de sulfite com a letra da canção de rap “É hora de brincar”, de autoria do Mestre Pê (letra) e de Vander Luís (música).
  • Aparelho de som, canção “É hora de brincar” (áudio a seguir).
  • Folhas de papel pardo.
  • Canetas hidrográficas.
  • Barbante para varal.
  • Pregadores.
Finalidade

Aliar o rap, expressão do universo cultural de crianças e adolescentes das periferias das grandes cidades, ao letramento.

Expectativa

Desenvolver o prazer de brincar com as palavras, fazendo poesia; valorizar o rap como expressão cultural.

Público-alvo

Crianças e adolescentes

Espaço

Sala de aula, leitura ou atividades

Duração

1 encontro de cerca de 1h30

Início de conversa

Como tornar as culturas juvenis aliadas da aprendizagem escolar? De que modo os ritmos musicais que fazem a cabeça de crianças e jovens, como o rap, pode estimular o gosto pela leitura e pela escrita em crianças e adolescentes?

“Cabe à escola propiciar aos jovens a possibilidade de experimentarem diferentes formas de ser jovem e estudante, que estão profundamente atreladas às chamadas culturas juvenis”, reflete o professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Alexandre Barbosa Pereira.

O diálogo entre os conhecimentos escolares e as culturas de que as crianças e os jovens, principalmente periféricos, fazem parte é fundamental para criar um espaço de expressão e escuta desses estudantes.

Não se trata, entretanto, de imitar ou encenar as práticas culturais juvenis de forma empobrecida e controlada na escola, nem de criar cópias baratas e chatas de jogos eletrônicos ou grupos sociais na internet, mas de atentar para essas diferenças, não as desmerecendo e descartando de antemão, mas procurando estabelecer algum tipo de comunicação com elas, para enriquecê-las e permitir aos jovens ampliarem seus repertórios culturais.”

Alexandre Barbosa Pereira

A palavra rap vem da abreviação de ritmo e poesia em inglês. É a expressão musical e poética do hip-hop, movimento que surgiu na década de 1970 nos guetos nova-iorquinos. Como conta P.MC, o mestre Pê, rapper e arte-educador que desenvolve oficinas de rima com ritmo de rap, o hip-hop surgiu de uma necessidade social daquelas comunidades, como um caminho de diálogo entre as gangues locais que viviam em guerra.

Ouça um pouco dessa história na voz de Pê:

Entrevista com P.MC (primeiro bloco)

A escola tem que estar em sintonia com a comunidade. E onde estão os adeptos da cultura hip-hop? Na comunidade. Essa juventude que transita na cultura hip-hop está na escola pública. Então, é importante que esta abra as portas e entenda a cultura hip-hop.”

P.MC

Ouça a entrevista completa: P.MC: o hip-hop na educação

Na prática

Sugestão de encaminhamento

Inicie a oficina conversando com as crianças e os adolescentes sobre rimas e rap:

  • Conhecem algum rap? Podem cantar?
  • Como sabemos que o que ouvimos é um rap? Conhecem algum rapper? Quem?
  • Já ouviram falar de algum rap para crianças? Sim? Qual? Não?

Então, diga que nesta oficina eles vão conhecer um rap muito bonito, “É hora de brincar”. Conte que o autor dessa canção é o mestre Pê, em parceria com Vander Luís. Ele é feito de trava-línguas, especificamente para as crianças e adolescentes brincarem com as palavras.

Baixe a letra da canção

Ouça o rap:

“É hora de brincar”, faixa do CD-livro Pé de palavra

Leia o primeiro verso da primeira estrofe do rap para eles e peça para repetirem algumas vezes. Como se trata de um trava-línguas, certamente terão alguma dificuldade em pronunciá-lo rapidamente e isso será muito divertido. Dê um tempo para se apropriarem da rima. Veja como fez o mestre Pê. Em seguida, acompanhe as observações da professora América Marinho.

Apresentação da oficina de rimas e rap
Rima nos textos poéticos e musicais

A seguir, escreva na lousa ou em um cartaz, algumas palavras como amizade, capoeira e provoque-os a encontrar rimas para elas. Depois do exercício coletivo, cada um dos participantes falará uma palavra e os colegas tentarão descobrir outras que rimem com elas. Vá anotando na lousa ou no cartaz. Peça que acompanhem as rimas com palmas, no ritmo do rap para entrarem no espírito da oficina. Estimule que todos participem, propondo palavras para serem rimadas, como no vídeo a seguir.

Construindo rimas

Agora que já entraram na brincadeira, convide-os a construir suas próprias rimas, em duplas, trios ou grupos. Forme painéis com as folhas de papel pardo, coloque-os no chão, distribua as canetas hidrográficas e oriente-os para que, primeiro, componham as rimas oralmente com os pares e, em seguida, registrem-nas no painel. Veja como foi na oficina do mestre Pê:

Registrando as rimas

Terminados os painéis, você poderá pendurá-los no varal e pedir para que circulem e leiam as rimas produzidas pelos colegas.

Em seguida, distribua as folhas com a letra impressa do rap “É hora de brincar”, coloque o CD no aparelho de som e convide-os a cantar junto com o rapper Mestre Pê.

Hora de avaliar

Terminada a atividade, proponha a formação da roda para fazerem a avaliação da oficina:

  • gostaram? De quê?
  • Perceberam a intenção das rimas, que é de brincar com as palavras?
  • O que acham que faltou na oficina?
  • O que poderia ser melhorado em uma próxima vez?

Assista ao vídeo com trechos da roda de conversa para avaliação que o mestre Pê fez na sua oficina:

Avaliando a atividade

Para ampliar

Rap e letramento

Para saber mais sobre o rap na sala de aula e sua relação com o letramento, veja os vídeos abaixo, com os depoimentos das professoras especialistas em língua portuguesa, autoras e formadoras: América Marinho e Maria Alice Armelin. A entrevista está organizada em blocos temáticos.

Concepção de letramento
O letramento na sociedade contemporânea
A cultura popular e a escola
O rap na sala de aula

Vocês podem convidar algum rapper para vir conversar com a turma e contar experiências a respeito de sua produção. Um integrante do movimento hip-hop também poderá estar presente para contar mais sobre a história e a evolução desse movimento.

Para conhecer um pouco da história do hip-hop no Brasil, assista aos vídeos abaixo, com o educador social Wagner Luciano da Silva (Guiné).

O surgimento do hip-hop no Brasil
A expansão do hip-hop para outras linguagens
A consolidação do hip-hop no Brasil

Referência

SILVA E SOUZA, Ana Lúcia. Letramento da reexistência. Poesia, Grafite, Música, Dança: hip-hop. São Paulo: Parábola, 2011.

Para saber mais

Para saber mais sobre o rap na sala de aula e sua relação com o letramento, veja os vídeos abaixo, com os depoimentos das professoras especialistas em língua portuguesa, autoras e formadoras: América dos Anjos Costa Marinho e Maria Alice Mendes de Oliveira Armelin.

Acesse o canal Pé de Palavra no YouTube

Veja também

P.MC: o hip-hop na educação

Brincando no baú da oralidade

As linguagens da criança e o mundo letrado

Letramentos e culturas juvenis (artigo de Alexandre Barbosa Pereira)