Carta aberta de educadores, pesquisadores e estudantes à sociedade brasileira

-

Carta aberta de educadores, pesquisadores e estudantes à sociedade brasileira

Carta aberta de educadores, pesquisadores e estudantes à sociedade brasileira contra desmonte de políticas educacionais e pela garantia do direito à educação de qualidade para todos(as)
Imprimir

Em Carta aberta lançada nesta quinta-feira (1º), educadores, estudantes, pesquisadores e representantes de organizações da sociedade civil, centros de pesquisas, instituições educacionais, sindicatos, coletivos e movimentos sociais alertam a sociedade brasileira para o risco de apagão educacional que estamos correndo.

Com quase 5.000 assinaturas, a “Carta aberta de educadores, pesquisadores e estudantes à sociedade brasileira” ganhou a adesão de diferentes segmentos da sociedade civil por todo o país.

Entre os signatários, estão dois ex-ministros da Educação, Cristóvam Buarque (2003-2004) e Renato Janine Ribeiro (2015), além de ex-secretários e conselheiros de educação, pesquisadores e outros nomes influentes na educação nacional.

Clique aqui para acessar a Carta aberta.


Avanços e ameaças de retrocesso

O documento aponta avanços importantes na educação brasileira nos últimos 30 anos, “ainda que num ritmo mais lento do que o desejado e necessário para que pudéssemos dar um salto de qualidade e de equidade capaz de promover o tão almejado desenvolvimento humano, econômico e social do país”, e destaca que os resultados foram obtidos a partir do diálogo democrático, do debate público e da construção de consensos.

Os educadores, estudantes e pesquisadores criticam, porém, a queda mais recente de investimentos em educação, a falta de coordenação do governo federal para uma resposta mais efetiva aos impactos da pandemia de Covid-19 na educação e a priorização de uma agenda estranha às urgências educacionais do país, destacando, entre outros pontos, a exclusão da equipe técnica do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) da formulação do novo Sistema e Avaliação da Educação Básica (Saeb); a regulamentação da educação domiciliar; alterações no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD); e o veto do Presidente Jair Bolsonaro ao Projeto Lei que buscava garantir acesso à internet a alunos e professores de escolas públicas.

Por fim, os signatários da carta exigem respeito à legislação educacional, ampliação do diálogo democrático, compromisso com a implementação integral do Plano Nacional de Educação (PNE) e com a redução das desigualdades e senso de urgência na resposta aos desafios educacionais impostos pela pandemia.

Não aceitaremos nenhum direito suprimido, nenhuma conquista a menos e que nenhuma pessoa fique para trás!”

Carta aberta de educadores, pesquisadores e estudantes à sociedade brasileira, 2021

A Carta conta com assinaturas de pessoas e instituições representantes de diferentes segmentos da sociedade civil das várias regiões do país.


Carta aberta na mídia


Veja também