Museus brasileiros para visitar sem sair de casa

-

Museus brasileiros para visitar sem sair de casa

Conheça projeto que traz a arte brasileira produzida durante a pandemia e veja museus com acervos e tours virtuais para curtir nas férias
Imprimir

Por Stephanie Kim Abe

Logo que a pandemia chegou ao Brasil, em março, o Portal CENPEC Educação publicou uma seleção de ótimos museus de todo o mundo com acervos disponibilizados na Internet, como uma forma de manter a cultura em dia e a aprendizagem das crianças, ainda que com distanciamento e isolamento social.


Veja aqui a seleção de 13 museus para visitar sem sair de casa


Assim como todo mundo e todas as áreas, a arte também foi afetada pela pandemia. Museus e galerias fecharam, mas artistas continuaram produzindo suas obras, que revelam muito sobre como temos enfrentado e visto esse período excepcional. Justamente para exibir e dar visibilidade a elas, a paulistana Luiza Adas criou o Museu do Isolamento Brasileiro.

O projeto, totalmente virtual, divulga em seu site e perfil no Instagram diversos tipos de artes visuais, como desenhos, pinturas, grafites, bordados, colagens, fotografias. Além de trazer a arte produzida por brasileiros e brasileiras durante este período de isolamento, o Museu também busca discutir assuntos em voga, como o racismo, as eleições, e trazer notícias do mundo da arte.

As obras tocam em assuntos que têm feito parte do cotidiano de muitas pessoas nesse momento, como o trabalho e as aulas remotas, a saudade dos encontros com amigos e familiares, a saúde mental, o uso das máscaras, as tarefas do cotidiano em casa etc.

Arte feita por Anny Souza. Para ver mais acesse no Instagram: @psi.colagem #museudoisolamento
Arte feita por Anny Souza. Para ver mais acesse no Instagram: @psi.colagem #museudoisolamento

As obras podem servir de inspiração em atividades escolares, como forma de discutir este período. Em um post compartilhado em dezembro, a professora Gabriela Flauzino contou como utilizou o Museu em prática pedagógica com seus alunos.

Arte feita por @dimas5150. Para ver mais acesse o perfil covidartmuseum no Instagram
Arte feita por @dimas5150. Para ver mais acesse o perfil covidartmuseum no Instagram

Pandemia e arte pelo mundo

O Museu do Isolamento Brasileiro foi inspirado no Covid Art Museum (CAM), que funciona como perfil no Instagram trazendo a “arte em tempos de quarentena”. O projeto foi idealizado por três amigos de Barcelona (Espanha), e teve seu primeiro post no dia 19 de março. Entre as obras, há colagens, fotografias, montagens, animações e vídeos produzidos no mundo todo.

Conheça o perfil Covid Art Museum (CAM) no Instagram

“Esses tempos de pausa e reflexão estão permitindo que as pessoas destravem sua criatividade interior. Somos testemunhas de um novo movimento artístico. A arte em tempos de quarentena”, explicam no destaque dos stories do seu perfil no Instagram.

O Victoria and Albert Museum, focado em artes decorativas e design e localizado em Londres (Inglaterra), se debruçou sobre alguns objetos que foram ressignificados neste período, no projeto editorial chamado “Objetos Pandêmicos”. Entre eles, o papel higiênico (símbolo do pânico público), o termômetro (como ferramenta de controle social), centros de convenções (transformados em hospitais) etc. As reflexões estão concentradas no blog do museu, todas em inglês.


Às vésperas das férias de verão, a pandemia ainda segue em curso e preocupante. Ainda que museus e centros culturais tenham reaberto há cerca de três meses, seguem adotando medidas de prevenção e distanciamento social, atendendo público reduzido, estimulando a compra de ingressos on-line e produzindo materiais, campanhas e conteúdo para serem disponibilizados na web.

Selecionamos alguns museus brasileiros que disponibilizam acervo on-line ou tour virtual de suas instalações ou exposições para explorar e conhecer durante as férias, sem sair de casa.


1. Museu Itamar Assumpção

Inaugurado este ano no Dia da Consciência Negra, o Museu Itamar Assumpção (MU.ITA) celebra a vida e obra do músico e artista Itamar Assumpção, um dos expoentes da “Vanguarda Paulista” no começo dos anos 80 – ao lado de Arrigo Barnabé e Premê (Premeditando o Breque).

Totalmente virtual, o novíssimo museu tem um acervo de mais de duas mil peças, entre fotos, vídeos, músicas, figurinos e documentos sobre o artista. É possível ouvir os seus discos, que foram disponibilizados nas plataformas de streaming recentemente.

Além de uma exposição permanente, o MU.ITA conta com mostras de curta duração, que devem dialogar com artistas contemporâneos que tratem também do resgate e ressignificação da memória e cultura preta. É o primeiro museu brasileiro a disponibilizar tradução em iorubá, língua nígero-congoles.


2. Pinacoteca de São Paulo (São Paulo, SP)

A Pinacoteca de São Paulo é um dos museus mais importantes do país e da América Latina, focado em obras produzidas por brasileiros e brasileiras do século 19 à contemporaneidade. Entre o seu acervo de mais de 11 mil peças, estão obras de Anita Malfatti, Lygia Clark, Tarsila do Amaral e Candido Portinari, entre outros.

O tour virtual contempla não só o acervo permanente, mas a beleza e a iluminação do edifício, que foi projetado no final do século 19 para abrigar o Liceu de Artes e Ofícios, mas nunca foi concluído. É possível fazer o tour em realidade virtual, para quem tem óculos VR.

Para saber mais sobre as obras, também é possível consultar o Google Arts & Culture.


3. Museu Oscar Niemeyer (Curitiba, PR)

Com projeto icônico que tem como símbolo uma torre em formato de “olho”, projetado pelo arquiteto que leva o seu nome, o Museu Oscar Niemeyer (MON) é dedicado às artes visuais, arquitetura, urbanismo e design. Possui quatro andares de exposições, e tem em seu acervo grande nomes como Tarsila do Amaral, Cândido Portinari, Tomie Ohtake, Andy Warhol, Francisco Brennand e Helena Wong.

No site do MON, é possível fazer o tour virtual pelo museu, por meio do Google Street View. O Museu também está no Google Arts & Culture, onde é possível acessar exposições passadas e diferentes itens da coleção do Museu.

O MON está fechado até o dia 18 de dezembro, por conta de decreto municipal da prefeitura de Curitiba.


4. Museu Casa de Portinari (Brodowski, SP)

Candido Portinari (1903–1962) é considerado uma das principais figuras do modernismo no país, tendo produzido mais de cinco mil obras de arte. É conhecido por retratar a realidade das fazendas de café do início do século 20, em pinturas como O lavrador de café (1934), e é autor dos enormes murais Guerra e Paz, que adornam a entrada e saída da sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York.

Distante 337 quilômetros da capital paulista e com cerca de 25 mil habitantes, a cidade de Browdoski abriga o Museu Casa de Portinari, que funciona na antiga residência desse importante artista brasileiro.

Na visita virtual disponibilizada no site do Museu, é possível reconhecer os ares interioranos da casa principal e seus anexos (tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN desde 1968), os mobiliários típicos do início do séc. 20, e o acervo, que consiste de pinturas murais, documentos, desenhos e estudos.

O Google Art & Culture disponibiliza uma página rica em informações e análises da obra deste artista brasileiro.

5. Museu Histórico Nacional (Rio de Janeiro, RJ)

De moedas de ouro a retratos da época do Império, o Museu Histórico Nacional (MHN) disponibiliza parte do seu acervo on-line. São peças que abordam a história do Brasil, desde a época colonial até a atualidade, em objetos do cotidiano, documentos históricos, pinturas etc.


6. Museu da Imigração (São Paulo, SP)

É na sede da antiga Hospedaria dos Imigrantes, no bairro da Mooca, na capital paulista, que se localiza o Museu da Imigração do Estado de São Paulo. A instituição tem um rico acervo de documentos, objetos, publicações e relatos que buscam preservar a história e a memória das pessoas que chegaram ao Brasil e construíram a identidade brasileira, dialogando também com os fluxos migratórios contemporâneos.

Entre o acervo digital disponibilizado no site da instituição, encontram-se cópias de registros de matrículas, listas de bordos, cartas de chamada, cartografia e jornais de época.

No Google Arts & Culture, é possível ver exposições passadas do Museu da Imigração.


Projeto Conhecendo Museus

Para quem quer conhecer mais sobre os museus brasileiros, os vídeos do projeto Conhecendo Museus são uma boa pedida. As produções têm 26 minutos e abordam, com detalhes, tanto a exposição do acervo como a história por trás das peças, os critérios técnicos de escolha das mesmas e a localização e passado da instituição retratada.

Há cinco temporadas, todas disponíveis no canal do YouTube do projeto. A última, exibida este ano, traz 20 museus que se encaixam em dois roteiros diferentes: sobre moda e gastronomia (como o Museu Nacional do Calçado, em Novo Hamburgo/RS, e o Museu do Pão, em Ilópolis/RJ), e sobre ciência e tecnologia – caso do Museu Catavento Cultural, em São Paulo/SP e do o Museu do Homem do Nordeste, no Recife/PE.

O projeto é uma parceria da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), a Fundação José de Paiva Netto (FJPN) e o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram).

Veja o episódio sobre o Museu do Amanhã, na capital carioca, abaixo:


Veja também