Sob os caracóis dos nossos cabelos

-

Sob os caracóis dos nossos cabelos

Texto de Isabela Alves sobre a animação Hair Love e o papel da representatividade positiva da população negra na educação
Imprimir

por Isabela Alves

Pensar a representatividade negra está para além de fotos, marcas, propagandas, roupas. Consumo. É fomentar, premiar e olhar-observar novas construções de narrativas que buscam ilustrar como pessoas pretas, em suas diferentes formas, traços, tons, cabelos, realidades, existem para além do espectro da sobrevivência e violência. 

Hair Love. Foto: reprodução

Condicionadas ao confinamento da solidão, dó, pobreza e exaustão, pessoas negras passaram agora, 130 anos após nossa abolição, a se ver como seres humano que, por exemplo: têm um pai – presente – que arruma o cabelo da filha – crespa, preta, menina.

O curta Hair Love (“Cabelo amor”, tradução poética livre) vem como um recado da inversão de narrativa e de lugar: nós podemos, sim, aparecer nas telas, nos prêmios, nas animações como pessoas que se amam, que se aquilombam construindo famílias pretas – invertendo a lógica do embranquecimento.

No campo pedagógico, a importância da narrativa negra positiva, longe dos estereótipos de escravização e violência, é de extrema necessidade. Carecemos do crescimento saudável das nossas crianças-erês negras, que se vejam como seres humanos em suas diversas formas.

A professora, ou professor, pode usar esse filme, esse exemplo, como ponto de partida para repensar a estrutura daquilo que ensina: em que lugar reside a imagem preta, quando falamos de história? Quando falamos de filosofia? Quando falamos de escrita?

A crítica à forma de colocar o negro no mundo é um dos mecanismos fundamentais para, então, se ter atitudes antirrascistas. Como diz Davis, é preciso ser antirrascista, o que, no país Brasil, é uma urgência.

Angela Davis.
Angela Davis. Foto: Reprodução.

“Numa sociedade racista, não basta não ser racista. É necessário ser antirracista.”

Angela Davis é uma filósofa estadunidense e ativista do feminismo negro. Nos anos 1960 e 1970, integrou o Partido dos Panteras Negras, destacando-se por sua luta pelos direitos das mulheres e contra a discriminação social e racial nos Estados Unidos. Entre seus livros, estão: Mulheres: raça e classe (2016),  Mulheres, cultura e política (2017) e A liberdade é uma luta constante (2018).

Para pessoas negras, vejam e se emocionem com Hair Love. São alguns minutos de momentos que vivemos vida inteira – e não pudemos assistir. É lindo, simples e atravessador.

Para pessoas não negra, brancas, vejam Hair Love atentos, é tempo de mudar certo olhar aprisionador sobre nossos corpos. Nós nos amamos. Reside aqui a liberdade que lutamos para ter.


Isabela Alves.
Isabela Alves. Foto: Filipe Ramos.

*Jovem mulher, de 21 anos, que atualmente cursa Letras na Universidade de São Paulo (USP). Estagiou na Diretoria de Difusão e Mídias (DDM) do CENPEC Educação.

Para além de estudante e estagiária na área de curadoria em publicidade, faz-produz-vive arte. Atravessando as linguagens, produz colagens digitais, desenhos, telas, bordados e poesias.

Lançou recentemente a zine Ebó de Pele, com a necessidade de ver sua narrativa circulando. Hoje, existe no mundo enquanto uma mulher preta lésbica em diáspora. Rede: @afrobela__


Veja também

Hair Love: ame seu cabelo
Animação trata da beleza do cabelo afro é indicada ao Oscar 2020. O curta mostra o cotidiano de uma família negra e a missão do pai em pentear os cabelos crespos da filha.

Oficina: Mulheres negras no cenário nacional
Pesquisa sobre mulheres negras de destaque na vida do país. O objetivo é compreender que a situação profissional das mulheres negras decorre de diferenças de oportunidades que a sociedade oferece à população negra.

Carta Capital: Por uma educação antirracista
“… como promover uma educação inclusiva, multicultural e antirracista, sem que tenhamos quadros profissionais diversificados racialmente e sem contemplar nos currículos a história da maior parcela da população deste país?”

Lunetas: “Quilombelas”, encontro da representatividade afro com a educação
Seis professoras de Porto Alegre criaram o projeto para contribuir com a construção da identidade dos estudantes da educação infantil e do ensino fundamental, por meio de ações e debates sobre negritude.

Galeria Preta 
Espaço on-line criado para jovens artistas negros exporem suas obras. O objetivo é auxiliar no ensino de cultura afro-brasileira, advindas da diáspora africana, de forma mais contemporânea e próxima.