-

Profissões no território

Site Educação&Participação
Imprimir
O que é?

Experiência de aproximação das profissões existentes no território.

Materiais

•  Computadores/tablets com acesso à internet.
•  Máquinas fotográficas ou celulares.

Finalidade

Entrar em contato com diferentes opções profissionais do mundo contemporâneo para ir formando, gradativamente, um repertório de informações que possam subsidiar suas futuras escolhas.

Expectativa

Conhecer o que caracteriza algumas profissões e o que é necessário para exercê-las; aprender a procurar essas informações em fontes confiáveis.

Público

Adolescentes e jovens

Local

Sala de atividades, de informática e no território

Duração

3 encontros
de 1h30 a 2h

Na prática

Sugestão de encaminhamento

1º encontro: As profissões em nosso território
Inicialmente, proponha uma conversa sobre as profissões que os jovens conhecem. Peça para pensarem nos percursos que fazem durante a semana, pelo território, para irem à escola, à ONG, ao dentista, ao futebol. Por onde passam, entram em contato direto ou indireto com que profissionais?

Peça que relacionem as profissões das pessoas com quem interagem nesses percursos ou mesmo aquelas profissões que veem solicitadas em placas ou cartazes de algumas casas comerciais, construções, consultórios.  Registre num cartaz, conforme forem falando. Depois, peça que relacionem outras profissões das quais tiveram conhecimento por revistas, por filmes, internet ou simplesmente por terem ouvido falar e que gostariam de conhecer melhor.

Terminada a relação, peça para olharem bem para o cartaz, lerem as profissões relacionadas e tentarem, coletivamente, separar aquelas que exigem certificação de conclusão de estudos, das que não exigem. Depois, solicite que tentem identificar se os certificados exigidos se referem ao nível médio de ensino ou ao nível superior.

Peça para olharem o quadro formado e escolherem quatro, dentre as profissões relacionadas que exigem diploma e sobre as quais têm mais interesse e curiosidade em conhecer. Ao pesquisar melhor essas quatro, eles aprenderão a procurar informações sobre as outras e adquirirão maior independência para fazer outras pesquisas por si próprios.

Para a pesquisa inicial, forme duplas para consultar, na internet, as profissões escolhidas pelo grupo. Apresente os sites abaixo para que investiguem o que caracteriza as 4 profissões, quais as exigências de estudo para ingressar no exercício das mesmas, a remuneração média dos profissionais e sua atual demanda pelo mercado.

Guia do Estudante

 Pesquisa Salarial – Empregos

Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec)

Cursos superiores no Brasil

E se?
Se tiverem dificuldades em identificar as profissões que exigem certificação de estudos, oriente que consultem, nesse momento, na internet e socializem com o grupo.

Dê aproximadamente 50 min. para a consulta e depois abra a roda para socializarem e complementarem o que encontraram de informação, a respeito de cada uma das quatro profissões selecionadas, para terem um panorama dos principais aspectos de cada uma. Aproveite o momento e projete o vídeo abaixo que dá algumas dicas importantes sobre a escolha profissional.

Apresente o vídeo “A difícil fase dos adolescentes de escolher uma profissão”:

Chame a atenção para a diferença entre cursos técnicos, tecnológicos, de bacharelado e de licenciatura. Como continuidade do exercício da pesquisa, sugira que façam outras pesquisas em casa, na sala de informática, no telecentro ou numa lan house.

encontro: Preparando a mesa redonda com profissionais do território
No segundo encontro, proponha aos jovens a realização de uma mesa-redonda, com a duração aproximada de 40 min., com alguns profissionais do território, a fim de conhecerem as profissões que exercem, para além das características conhecidas e das exigências de ingresso, mas para saber sobre as dificuldades mais frequentes que apresentam, assim como as gratificações e os leques de possibilidades de atuação que oferecem.

O grupo poderá se definir, por exemplo, por quatro profissionais para serem convidados para o evento, podendo ser eles das mesmas profissões que pesquisaram ou de outras.

Além disso, definirão a data do evento e quem fará o convite aos profissionais (dois ou três jovens). Ajude o grupo a executar essa tarefa, começando pela escrita do convite, como localizar os convidados (telefone, e-mail), como abordá-los (identificando a instituição, marcando um horário possível para entregar a carta, combinando a data, local e horário).

Para preparar a turma para a mesa redonda, use a técnica do remador. Forme quatro grupos e distribua uma folha de papel pardo para cada grupo.

Cada folha terá o nome de uma das quatro profissões que serão discutidas na mesa-redonda.  Os grupos relacionarão nessas folhas as perguntas que gostariam de fazer ao respectivo profissional.

Dê dez minutos para debaterem e selecionarem as perguntas e reme as folhas pelos grupos para que adicionem as suas perguntas, sem repetir as que já foram apontadas. Faça isso três vezes, de forma que cada grupo preencha as quatro folhas.

Exponha as quatro folhas e, em conjunto, façam uma triagem das perguntas para selecionar algumas (quatro ou cinco), fundindo ou eliminando outras, sempre em consenso.

Reescrevam as perguntas selecionadas num cartaz que ficará exposto no decorrer da mesa-redonda, para direcionar a discussão.

Sugira que o grupo que entrou em contato com os convidados os recebam e combine com os adolescentes ou jovens quem fará as perguntas selecionadas e registradas nos cartazes, a cada profissional, quem tirará fotos ou filmará e quem agradecerá em nome da turma. Sugira que durante as falas, anotem o que considerarem importante para não esquecer.

3º encontro:  Mesa-redonda
No dia marcado, a mesa-redonda seguirá os combinados. Cada convidado terá 10 min. para responder as questões apresentadas. Após a sua realização e a saída dos convidados, organize, no coletivo, as informações mais importantes das respostas dadas às questões formuladas e faça a avaliação da oficina.

Hora de avaliar
Cada jovem avaliará a oficina, desde o seu início, identificando as aprendizagens que teve com ela e explicitando de que sentiu falta, dando assim elementos para futuras oficinas que deem continuidade ao tratamento do tema, tão importante nessa faixa etária.

Para ampliar a discussão

O que mais pode ser feito?
Um guia de profissões escolhidas do grupo, escrito por eles mesmos, ilustrado e digitalizado para divulgarem na escola, na ONG ou nas redes sociais.

Com o auxílio dos educadores e gestores da instituição, também podem ser realizadas algumas visitas a universidades publicas, aos cursinhos gratuitos oferecidos por elas, a alguns locais de trabalho para que os adolescentes e jovens possam ver os profissionais atuando in loco.

Outra visita interessante é ao Centro de Integração Empresa e Escola (CIEE), para saberem como funciona a oferta e a adesão a estágios.

Além disso, junto com o professor de Português e de outros que se engajem, pode ser feita a leitura do caderno de empregos de grandes jornais, para uma análise das principais ofertas de trabalho no mercado de hoje: a que profissões elas estão relacionadas, que formação exigem.

Essas informações devem ser discutidas, considerando-se os desejos e sonhos de cada jovem.

Gostou da proposta?

Para saber mais

Escolher uma profissão na adolescência não é fácil, porque significa entrar no mundo adulto, no qual se terá acesso a uma série de coisas interessantes, mas que exige, em contrapartida, a assunção de novas responsabilidades.

É uma situação que envolve ansiedade, angústia e medo, pois coloca o adolescente ou o jovem, numa situação nova diante de si próprio, que exige dele, ao mesmo tempo, autonomia e responsabilidade, ao tentar identificar, simultaneamente, o que gostaria de ser e fazer no mundo adulto, voltando-se para dentro de si mesmo, assim como buscar fora de si, no mundo do mercado, informações sobre as profissões existentes.

A questão da escolha profissional representa um desafio que envolve diversos fatores, tais como as expectativas da família; o custo da formação e o local dos estudos; o tipo de formação desejado; as oportunidades do mercado e as características das profissões, como o tipo de atividade e o local onde é realizada. Além disso, os valores veiculados na mídia, dando destaque a profissões que estão na moda, também influenciam os adolescentes.

Esses fatores, associados à quantidade de informações veiculadas a respeito do mundo do trabalho, às vezes levam o adolescente ou o jovem a adotar critérios de escolha mais voltados para fatores externos, como prestígio e dinheiro, do que para seus interesses, anseios e aspirações. Isso porque é mais fácil desenvolver conhecimentos sobre as profissões do que sobre si próprio. A questão, portanto, é ter autoconhecimento, para usar as informações obtidas a seu favor.

Por isso é importante criar espaços de reflexão nas escolas e nas ONGs, e de debate entre os colegas, uma vez que o grupo é referência importante para o adolescente, de forma a oferecer-lhe oportunidades de se conhecer melhor e refletir sobre as possibilidades profissionais que tem em mente, planejando seu futuro junto com ele.

É bom para ele saber que, apesar da escolha ser dele, pois só ele poderá decidir sobre sua própria vida, existem pessoas ao seu redor dispostas a apoiá-lo e a incentivá-lo, para que ele possa fazê-la da melhor forma possível. É preciso considerar ainda que o contexto onde vive o adolescente influencia fortemente a sua escolha.

Segundo Dulce Whitaker (1997, p. 62), adolescentes que têm alto poder aquisitivo têm uma preocupação maior com a realização pessoal que adolescentes de famílias economicamente desfavorecidas e de classe média, os quais demonstram maior preocupação com o padrão financeiro, embora direcionado à satisfação pessoal.

Fontes de referência
FUNDAÇÃO TIDE SETUBAL. Guia de auxílio à escolha profissional para adolescentes e jovens. São Paulo, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Educação profissional técnica de nível médio integrada ao Ensino Médio. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Documento Base. Brasília, 2007.

LARA, L. D. et al. O adolescente e a escolha profissional: compreendendo o processo de decisão. Arq. Ciênc. Saúde Unipar, Umuarama, v.9(1), jan./mar., 2005. Disponível aqui. Acesso em: abr. 2019.

WHITAKER, D. Escolha da carreira e globalização. São Paulo: Moderna, 1997.