Educação matemática nos Cadernos CENPEC

-

Educação matemática nos Cadernos CENPEC

CADERNOS CENPEC. Educação matemática, São Paulo, v.8, n.1, p. 1-4, jan./jul. 2018.
Imprimir

A aprendizagem da matemática é um grande desafio para o país. É o que indicam os números de avaliações oficiais. Segundo a Prova Brasil de 2015, na competência resolução de problemas, apenas 39% dos alunos do 5º ano do Ensino Fundamental aprenderam o adequado, contra somente 14% no 9º ano.

Esta edição dos Cadernos CENPEC tem como tema o ensino-aprendizagem dessa disciplina. Os artigos que compõem essa publicação trazem estudos na área, propostas para o currículo escolar, pesquisas com foco em professores e equipe pedagógica, e formação inicial e continuada de educadores.

Clique aqui para acessar os Cadernos CENPEC v. 8, n. 1 (2018)

CADERNOS CENPEC. Educação matemática, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 1-4, jan./jul. 2018. Disponível em: <http://cadernos.cenpec.org.br/cadernos/index.php/cadernos/issue/view/24>.
Acesso em: 11 jun. 2019.


A seguir, um breve resumo dos artigos que compõem a publicação.

Colaboração: uma ação para legitimar as pesquisas da própria prática de professores de matemática
Autoras: Patrícia Sandalo Pereira, Edinalva Teixeira da Cruz Sakai e Kely Fabrícia Pereira Nogueira
Artigo analisa as dissertações e teses centradas no professor que ensina matemática produzidas entre 2001 e 2016 nos programas de pós-graduação stricto sensu das áreas de Educação e Ensino da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). As pesquisadoras indicam que ainda são poucas as produções em que as ações para a legitimação do processo configuram-se como colaboração.

A educação matemática inclusiva em livros do 1º ano do Ensino Fundamental no Pnaic
Autoras: Katiane Monteiro Freire Oliveira e Edvonete Souza de Alencar
Mapeamento dos livros de literatura infantil no ensino da matemática inclusiva do 1º ano do Ensino Fundamental utilizados no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (Pnaic) entre 2013-2015. As autoras concluem que a literatura infantil pode contribuir para o ensino-aprendizagem de matemática ao possibilitar atividades com temas variados.

Problemas não convencionais: estratégias de resolução de alunos dos anos iniciais do Ensino Fundamental
Autoras: Alessandra Rodrigues de Almeida, Maria Auxiliadora Bueno Andrade Megid, Marina de Souza Bortolucci e Paula Cristina Chiarello
O artigo analisa a resolução de problemas como estratégia para aulas de matemática com base em registros dos alunos e videogravações das aulas. As pesquisadoras indicam que o trabalho com situações que efetivamente se configuram como tem grande potencial para a aprendizagem matemática.

O Scratch nas aulas de matemática: caminhos possíveis no ensino das áreas de figuras planas
Autores: Williane Costa Ferreira e Carloney Alves de Oliveira
Estudo exploratório junto a uma turma de 9º ano para investigar como a linguagem de programação Scratch pode contribuir para o aprendizado das áreas de figuras planas. Os resultados indicam que o interesse dos alunos pela tecnologia contribui para o objetivo citado, promovendo a criatividade e o raciocínio.

Conhecimento matemático especializado de professores da Educação Infantil e anos iniciais: conexões em medidas
Autores: Rosa Di Bernardo, Milena Soldá Policastro, Alessandra Rodrigues de Almeida, Miguel Ribeiro, Juscier Mamoré de Melo e Mariana Aiub
Artigo discute os conhecimentos do professor que ensina matemática na Educação Infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental sobre as noções de quantidade, unidade e grandeza. Os autores destacam a conexão das noções matemáticas na prática e para a prática como aspecto importante na formação de professores que ensinam matemática.

Uma investigação sobre apropriação de resultados de matemática do Spaece: o caso da Escola Jabuti
Autores: Francisco Jucivanio Felix de Sousa e Marco Aurélio Kistemann Júnior
Estudo das ações de gestores de uma escola da rede estadual a fim de minimizar a defazagem de aprendizagem matemática, tendo em vista os resultados de avaliação externa realizada pelo governo do Ceará. Os autores concluem que, para que a apropriação dos resultados ocorra de forma mais efetiva, é necessário implementar mecanismos de participação da comunidade na escola.

Alfabetización estadística y probabilística: primeros pasos para su desarrollo desde la Educación Infantil
Autores: Claudia Vásquez Ortiz, Danilo Díaz-Levicoy, Claudia Coronata e Ángel Alsina
Análise de expectativas de aprendizado nas diretrizes curriculares dos Estados Unidos e do Chile para o ensino da estatística e da probabilística, com exemplos de situações didáticas. Com base nesse estudo, os pesquisadores traçam orientações para a formação de professores.

Uso de jogos matemáticos como proposta pedagógica num contexto de formação intercultural para professores indígenas
Autoras: Keli Cristina Conti, Nayara Katherine Duarte Pinto e Danielle Alves Martins
O artigo descreve o uso de jogos matemáticos em computador no curso de Formação Intercultural de Educadores Indígenas (Fiei) em uma turma de habilitação em Matemática, na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). As pesquisadoras indicam que as atividades promovem a aprendizagem por meio de uma abordagem criativa e lúdica.

A curricularização da extensão universitária em um curso de formação de professores de matemática
Autoras: Ursula Tatiana Timm e Claudia Lisete Oliveira Groenwald
Investigação de possibilidades de inserção de atividades de extensão universitária no currículo de um curso de licenciatura em Matemática. Entre as conclusões, destaca-se que atividades diferenciadas do cotidiano escolar, a participação da comunidade externa (comunidade escolar) e o efeito multiplicador de conhecimento promovem o desenvolvimento de conteúdos matemáticos.

Entrevista com Maria Amabile Mansutti
A diretora de tecnologias educacionais do Cenpec, professora de matemática, gestora de projetos na área e grande conhecedora de formação de professores relata sua trajetória de educadora, relacionando sua formação e experiência a marcos importantes da educação paulista, paulistana e brasileira.


Cadernos CENPEC

Criada em 2006, a revista Cadernos CENPEC é destinada a pesquisadores e educadores, gestores e atores da sociedade civil organizada em favor da educação pública. Sua frequência é bianual. 

Em 2011, a revista passou a adotar o sistema de revisão por pares e tornou-se uma publicação on-line, com livre acesso, circulação e discussão de trabalhos publicados. 

O objetivo dos Cadernos CENPEC é fomentar a articulação entre ação educativa e pesquisa, por meio do debate de questões teóricas, resultados de estudos empíricos, bem como de princípios que orientem metodologias de intervenção na realidade educacional, no campo das políticas públicas, de programas ou de práticas educativas.