Remoção de professores e desigualdades em territórios vulneráveis

-

Remoção de professores e desigualdades em territórios vulneráveis

Pesquisa Remoção de professores e desigualdades em territórios vulneráveis
Imprimir

Como as características do território onde se localizam as escolas e o perfil sociocultural dos alunos interferem na alocação de professores da rede municipal de São Paulo? Essa é a investigação da pesquisa Remoção de professores e desigualdades em territórios vulneráveis (2011-2014).

Estudo anterior do CENPEC, intitulado Educação e desigualdades socioespaciais em grandes cidades (2009-2012), aponta que escolas situadas em regiões de alta vulnerabilidade social apresentam maiores dificuldades para efetivar seus projetos educacionais devido à influência de características do território.

Atualmente, por conta da legislação que regulamenta as movimentações docentes na rede municipal paulistana, os professores efetivos podem participar de concursos de remoção e trocar de escola. Esses concursos ranqueiam os professores com base em seu tempo de serviço e formação, e os melhores colocados podem escolher primeiro.

A hipótese dos pesquisadores é de que as características do entorno e dos alunos são os elementos mais importantes na escolha da escola para trabalhar. Para verificar essa hipótese em São Paulo, a equipe analisou dados dos concursos de remoção de professores que atuam nos anos iniciais do ensino fundamental em escolas municipais localizadas na subprefeitura de São Miguel Paulista. Os resultados apontam que a vulnerabilidade do território onde está situada a escola e a composição sociocultural do corpo discente influenciam a mobilidade dos professores

CENPEC. Informe de Pesquisa n. 10 |Remoção de professores e desigualdades em territórios vulneráveis, maio 2015. Disponível em: http://www.cenpec.org.br/wp-content/uploads/2015/08/Informe_de_Pesquisa10.pdf. Acesso em: 3 jul. 2019.


Este artigo é um dos produtos da pesquisa Remoção de professores e desigualdades em territórios vulneráveis
Período de realização: 2011 – 2014.
Parceiro: Fundação Tide Setubal 

Ementa:
O estudo investigou um dos mecanismos pelos quais as desigualdades socioespaciais interferem na alocação de professores em escolas municipais de São Paulo situadas na subprefeitura de São Miguel Paulista. O objetivo central foi verificar se as desigualdades socioespaciais e a composição sociocultural dos alunos interferem na alocação de docentes nas escolas por meio dos concursos de remoção.

Para verificação da hipótese de que o padrão de migração dos docentes se dá em direção a escolas de bairros menos vulneráveis e com público de maiores recursos sociais e culturais, foram analisados dados dos concursos de remoção de 2006 a 2011 de professores que atuam nos anos iniciais do Ensino Fundamental, disponíveis no Diário Oficial da Cidade de São Paulo. 

Os resultados apontam que as escolas de entorno menos vulnerável e que concentram alunos com maiores recursos atraem professores que ocupam as melhores posições na carreira. As escolas de perfil oposto recebem os docentes com menores classificações nos concursos.