Família, escola, território vulnerável

-

Família, escola, território vulnerável

Material vinculado à pesquisa "Família, escola e território vulnerável"
Imprimir

Esta publicação é um dos fruto da investigação “Esforços educativos de mães num território de alta vulnerabilidade social”, produzido no âmbito da pesquisa Educação em territórios de alta vulnerabilidade social, iniciativa da Fundação Tide Setubal, coordenada pelo CENPEC.

O estudo está alinhado a duas diretrizes da atuação da Tide Setubal em São Miguel Paulista, zona leste de São Paulo: o fortalecimento da população e das instituições locais e a sistematização do conhecimento. Essas ações têm como objetivo contribuir para a melhoria na qualidade de vida no território. Este livro, especificamente, foca o esforço educativo de famílias, particularmente de mães, moradoras dessa localidade, para oferecer melhores oportunidades aos filhos.

Diversas pesquisas relacionam as desigualdades territoriais às desigualdades na educação – o chamado “efeito de território”. Crianças, adolescentes e jovens, bem como as famílias de comunidades localizadas nas periferias urbanas e nas zonas rurais têm menos oportunidades e espaços de escuta e representatividade dentro das instituições educativas. Diante desse cenário, fazem-se necessárias políticas que promovam a equidade educacional nesses territórios.

Este trabalho investigativo tem o objetivo de contribuir para a intervenção na realidade e apoiar atores sociais e agentes públicos para o aprimoramento das políticas públicas comprometidas com a mudança social.

BATISTA, Antônio; CARVALHO-SILVA, Hamilton. Família, escola, território vulnerável.
São Paulo: Cenpec, 2013.


Este artigo é um dos produtos da pesquisa Família, escola e território vulnerável
Período de realização: 2011
Parceiro: Fundação Tide Setubal 

Ementa:
A pesquisa pretendeu trazer elementos para compreender como famílias residentes em territórios vulneráveis se relacionam com a escolarização de seus filhos. Para tanto realizou pesquisa de inspiração etnográfica junto a 12 famílias moradoras de um bairro de periferia da cidade de São Paulo. As mães foram as principais informantes. A metodologia de análise dos dados consistiu na construção de retratos sociológicos de cada uma das mães e numa análise transversal desses retratos. 

Os resultados permitem concluir que as mães pesquisadas atribuem um grande valor à escolarização de seus filhos, embora o grau do envolvimento com essa escolarização seja dependente do grau de vulnerabilidade das famílias. Permitem também caracterizar esse tipo de envolvimento, os significados atribuídos à escola, e a natureza e os tipos de esforços realizados para assegurar a permanência na escola e uma escolarização mais longa, limitada, porém, em geral, pela conclusão do ensino médio.


Acesse também a resenha da doutora em ciências da educação Nadir Zago sobre esta publicação