Águas vivas: mergulhe na vida e obra de Clarice Lispector

-

Águas vivas: mergulhe na vida e obra de Clarice Lispector

Instituto Moreira Salles desenvolve site em homenagem ao centenário de importante Clarice Lispector
Imprimir

Por Stephanie Kim Abe

Quando eu aprendi a ler, devorava os livros, e pensava que eles eram como árvore, como bicho, coisa que nasce. Não sabia que havia um autor por trás de tudo. Lá pelas tantas eu descobri que era assim e disse: ‘Isso eu também quero.’”

Clarice Lispector, “Depoimentos para a posteridade”, em entrevista concedida ao Museu da Imagem e do Som, 20.10.1976

Esse é uma das muitas falas e trechos de obras de Clarice Lispector destacados ao longo do site especial do Instituto Moreira Salles (IMS) dedicado à escritora e jornalista. O especial foi lançado em 10/12 do ano passado, em comemoração ao centenário de nascimento da escritora.

Autora de 18 livros, entre romances, novelas, contos e crônicas, o extenso e rico acervo do IMS disponibilizado no site faz jus à importância e grandeza de Clarice – considerada um dos grandes nomes da literatura brasileira do século XX.

Clique aqui para acessar o site especial Clarice Lispector


Escrita nas entrelinhas

Os trechos que aparecem ao longo da navegação no site dão pistas de algumas das principais temáticas abordadas por Clarice Lispector em suas obras – a maternidade, o papel da mulher, o amor, o ato de escrever, a vida cotidiana etc. 

Resultado de imagem para perto do coração selvagem
Capa: reprodução

A paixão segundo G.H. (1964) e A hora da estrela (1977) são suas obras mais consagradas, mas já em seu romance de estreia, Perto do coração selvagem (1943), Clarice Lispector recebeu críticas impressionadas de autores famosos – como de Antonio Candido, que se referiu a obra como “um romance que faltava”. 

É na sessão Livro a livro que conhecemos essas e as demais obras de Clarice, que também escreveu livros infantis, contos, novelas e crônicas. Com textos que explicam as obras, é possível conhecer melhor detalhes da sua escrita, que traz o olhar para dentro das personagens, cheio de impressões e digressões que se desenrolam por meio de uma linguagem e estilo únicos. 

Fiz da língua portuguesa a minha vida interior, o meu pensamento mais íntimo, usei-a para palavras de amor.

Clarice Lispector, “Explicação de uma vez por todas”, em Todas as crônicas

Viver até a última gota

Clarice Lispector e Fernando Sabino
Com o escritor Fernando Sabino. Foto: reprodução

Os principais acontecimentos da vida da escritora aparecem em uma linha do tempo interativa, que traz fotos e arquivos sobre Clarice. Nascida em uma aldeia na Ucrânia em 1920, a escritora chegou no Brasil aos 2 anos de idade, e se naturalizou brasileira em 1943, após escrever diretamente ao então presidente Getúlio Vargas. Formou-se em Direito e chegou a atuar como jornalista.

A linha do tempo também revela curiosidades e detalhes da vida pessoal de Clarice, como do tempo em que viveu fora do Brasil acompanhando o marido diplomata, Maury Gurgel Valente; das suas obras, e do começo de sua amizade com grandes nomes como Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Érico Verissimo e Carolina Maria de Jesus. Clarice morreu em 9 de dezembro de 1977.

Mas há a vida que é para ser intensamente vivida, há o amor. Que tem que ser vivido até a última gota. Sem nenhum medo. Não mata.”

Clarice Lispector, in: A paixão segundo G.H

Olhares críticos

Já no Acervo, é possível encontrar manuscritos, datiloscritos, cartas, cadernos e até quadros pintados por Clarice.

Na seção Uma aprendizagem, há uma extensa lista de referências bibliográficas sobre a autora, nos mais diversos formatos: vídeos de aulas, teses, dissertações, ensaios críticos, artigos, e-books, áudios e por aí vai. Ele traz diferentes visões e trabalhos que fazem crítica à obra clariciana.

A lista foi construída colaborativamente, e ainda é possível contribuir com material, por meio da página Contato.

Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento.”

Clarice Lispector

Veja também