10 materiais para discutir desigualdade de gênero

-

10 materiais para discutir desigualdade de gênero

O Portal CENPEC Educação seleciona 10 materiais entre especiais e oficinas para subsidiar discussões sobre desigualdade de gênero com os alunos
Imprimir

No próximo domingo (8), é o Dia Internacional da Mulher. A data, de inspiração socialista, começou a ser observada definitivamente no dia 8 de março a partir de 1917, com a realização de uma manifestação realizada por operárias na atual cidade de São Petersburgo, Rússia, por Pão e Paz.

A manifestação cresceu, desembocou em atos massivos contra o regime czarista ainda em vigor e contribuiu fortemente para a Revolução de 1917. Graças a Vladimir Lênin e à bolchevique Alexandra Kollontai, o Dia da Mulher foi, então, declarado feriado nacional na recém-nascida União Soviética, passou a ser celebrado por países e agremiações comunistas e acabou observado pela Organização das Nações Unidas (ONU) a partir de 1975.


Histórico de luta

Antes disso, porém, já havia precursores do Dia Internacional da Mulher, propostas para celebrá-lo e outras manifestações ligadas aos direitos das mulheres trabalhadoras, inclusive no dia 8 de março. Uma delas ocorreu já em 1908, em Nova York, embora os socialistas norte-americanos tenham, posteriormente, estabelecido o Dia Nacional da Mulher no último domingo de fevereiro.

De qualquer forma, a data serve para discutir a importância do papel das mulheres no mundo, as desigualdades e violências relacionadas a gênero e, apesar dos avanços em décadas recentes, a necessidade de garantir direitos iguais para mulheres e homens em todo o mundo, meta esta que ainda não foi alcançada por nenhum país, de acordo com as Nações Unidas. Por isso, para 2020, o tema da ONU para o Dia Internacional da Mulher é “Eu sou a Geração Igualdade: concretizar os direitos das mulheres”.

“O mote está alinhado com a nova campanha multigeracional da ONU Mulheres, Geração Igualdade, que marca o 25º aniversário da Declaração e Plataforma de Ação de Pequim (…), reconhecida como o roteiro mais progressista para o empoderamento de mulheres e meninas no mundo inteiro”, afirma o site oficial da ONU Mulheres para o Brasil. Assista ao vídeo.


Vamos fazer de 2020 um ano decisivo para mulheres e meninas em todo o mundo.”

Nações Unidas

Pensando nisso, o Portal CENPEC Educação selecionou materiais que poderão ser úteis para professores e formadores abordarem a temática dos direitos da mulher, a favor da igualdade de gênero e contra a violência e desigualdades por elas sofridas. Confira.


Reportagens e especiais

Igualdade, tema da ONU para Dia Internacional da Mulher 2020

Mulheres, direitos e educação: o especial completo do Portal CENPEC Educação sobre a origem do 8 de março pode ser uma boa forma de introduzir a temática, especialmente para uma visão histórica que contempla a luta por melhores condições de trabalho e vida e a favor do sufrágio universal – e por que, ainda hoje, é importante observar a data.

Pacto pela Democracia lança nota em apoio a Patricia Campos Mello

Nota em apoio a Patrícia Campos Mello: os recentes ataques à dignidade e ao trabalho da jornalista Patrícia Campos Mello, do jornal Folha de S. Paulo, é um exemplo recente de mulher submetida à humilhação pública inclusive por políticos importantes – e pode ser utilizado para discutir eventos que refletem uma concepção machista de mundo.

Oxfam - relatório "Tempo de cuidar"

Desigualdade está fora de controle, aponta relatório: O relatório Tempo de cuidar, publicado pela Oxfam International em janeiro/2020, mostra a escalada das desigualdades no mundo. Segundo a Oxfam, o trabalho de cuidar, majoritariamente realizado por mulheres, agrega US$ 10,8 trilhões à economia, mas os benefícios da cifra são revertidos para os mais ricos – em grande parte, homens.

Atlas da Violência 2019.

Contra a violência, investir no jovem e reduzir desigualdades: com dados do Brasil, o Atlas da Violência 2019, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), aborda a violência que atinge os jovens, sobretudo homens e negros. O relatório traz também dados sobre a violência contra a mulher: parte considerável das mortes acontece em casa, e negras são mais vulneráveis.

Cinco mulheres na educação integral.

Mulheres na educação integral: as desigualdades e violências a que as mulheres estão expostas são retratadas neste especial que conta as histórias de vida de cinco mulheres brasileiras que superaram entraves e lutaram pela garantia de direitos fundamentais – entre eles, a educação –, o que permite aproximar a discussão da realidade vivida por alunas e alunos.

Oficina com Rosana Paulino.

Rosana Paulino: a arte da representatividade étnico-racial: se as mulheres negras são mais vulneráveis, nada mais interessante do que discutir o trabalho de uma mulher negra que traz reflexões sobre essa realidade para as artes plásticas. Rosana Paulino produz obras que apresentam posicionamentos marcantes acerca de questões sociais como discriminação, gênero, violência doméstica e racismo.

Jovens e diversidade no ensino médio.

Raça, gênero, diversidade e inclusão no ensino médio: o que os jovens têm discutido sobre a mulher? Embora traga materiais sobre outras discussões, a cobertura do Seminário Internacional sobre Inclusão de Adolescentes e Jovens no Ensino Médio, ocorrido durante os dias 27 e 28 de abril de 2016, em Belo Horizonte (MG), traz discussões sobre gênero e feminismo a partir das vozes de jovens e adolescentes.


Oficinas

Balé para meninas e futebol para meninos?

Balé para meninas e futebol para meninos?: a oficina pedagógica disponibilizada pelo Portal CENPEC Educação traz uma reflexão e debate sobre os papéis tradicionalmente atribuídos a meninas e meninos em nossa sociedade e pode ser realizada na sala de aula ou em espaços como bibliotecas e parques.

Mulheres negras no cenário nacional.

Mulheres negras no cenário nacional: outra oficina pedagógica, esta traz para os estudantes a proposta de uma pesquisa sobre mulheres negras de destaque na vida do País. A expectativa, após os resultados encontrados pela turma ou classe, é trabalhar os conceitos de igualdade de oportunidades e justiça para todas e todos.

Não à homofobia.

Não à homofobia: frequentemente invisibilizadas nas discussões envolvendo direitos da mulher, as mulheres lésbicas e transexuais têm suas vulnerabilidades trabalhadas nesta oficina, que se destina a desenvolver, junto aos estudantes, atitudes de respeito e convivência com as diferenças entre seres humanos.


Veja também