Como ensinar usando jogos de alfabetização

-

Como ensinar usando jogos de alfabetização

Zoraide Faustinoni, mestre em Filosofia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), coautora dos materiais Estudar pra Valer!: leitura e produção de texto nos anos atuais do ensino fundamental (5 volumes), São Paulo: Cenpec, 2011, e Com a palavra (4 volumes), São Paulo: Cenpec, 2013. Conteúdo publicado originalmente na Plataforma do Letramento
Imprimir
O que é?

Sugestões didáticas para uso dos jogos de alfabetização Ataque das letras zumbis, Conquista da palavra e Jogo da fotografia, criados por especialistas e disponíveis neste Portal.

Material

Computadores com acesso à internet e caixas de som.

Finalidade

Compreender o sistema alfabético de escrita, desenvolvendo as seguintes habilidades:
• identificar o alfabeto em diferentes tipos de letra; 
• relacionar som e escrita (relação fonema/grafema); 
• identificar quantidade de letras da palavra; 
• identificar a posição correta das letras na palavra. 

Expectativa

Promover a compreensão das regras do sistema de escrita alfabética de forma lúdica:
• Reconhecer o alfabeto e os diferentes tipos de letras (imprensa e cursiva, maiúsculas e minúsculas).
• Relacionar fonema e grafema: identificar letras ou sílabas que faltam em uma palavra; reconhecer letras que não fazem parte de uma palavra; perceber que as letras têm uma determinada posição na palavra.
• Ampliar repertório de palavras para leitura e escrita.

Público

Crianças em fase de alfabetização

Espaço

Sala de aula, de computação ou leitura

Duração

Uma aula semanal de 45 a 50 min

Início de conversa

O jogo é uma atividade que desafia e mobiliza diferente saberes, pensamentos e emoções. O objetivo primeiro do jogador é acertar para ganhar o jogo e, além disso, se divertir. Mas o jogo também proporciona acesso a novas informações e estratégias, bem como aprendizagens com quem sabe mais, estimulando esforço para melhor desempenho.

Quando o foco do jogo é a alfabetização, ele se constitui em importante aliado na aprendizagem. Ao brincar com palavras, o aprendiz compreende as relações entre as partes orais e escritas. Ele é desafiado a analisar a palavra, a fazer relação entre som e escrita, a observar quais e quantas letras a compõem e em que sequência.

Os jogos com palavras circulam socialmente e saber jogá-los faz parte do letramento, ou seja, do uso social da leitura e da escrita.

Alfabetizar letrando
Garantir a alfabetização, direito de todos, é urgente para a redução do fracasso escolar e para o enfrentamento das desigualdades sociais no Brasil. Mas a alfabetização insere-se em um universo maior, o letramento.
Estudos linguísticos reforçam o papel da escola em envolver as novas gerações na cultura da escrita. Assim, o trabalho com a oralidade, a leitura e a escrita, com base em seus usos sociais, deve ser feito desde o início da escolarização.
O ensino-aprendizagem da língua escrita precisa envolver situações em que o falar, o ler e o escrever tenham finalidade específica, pois a aprendizagem precisa fazer sentido para quem aprende.
Entretanto, o sistema alfabético tem regras abstratas e arbitrárias que precisam ser compreendidas e cujo funcionamento, na maioria das vezes, o alfabetizando não descobre sozinho. Por isso precisa da mediação de alfabetizadores e de propostas didáticas que impulsionem essa aprendizagem. Assim, na alfabetização devem ser contemplados tanto as características discursivas da língua, como seus aspectos sistêmicos.

Na prática

Sugestão de encaminhamento

Antes de apresentar os jogos para a turma, é necessário conhecer e jogar de modo a compreender melhor como eles podem ajudar as crianças a compreender o funcionamento do sistema alfabético de escrita. Para isso, realizar um diagnóstico individual dos estudantes e da turma em geral é importante para levantar seus conhecimentos prévios e identificar em que etapa da aprendizagem da língua escrita cada um se encontra.

O especial Aprendizado inicial da escrita, baseado na proposta de Magda Soares, reúne as descobertas da psicogênese sobre as principais hipóteses que as crianças constroem para compreender como funciona a escrita ao trabalho com consciência fonológica. Acesse o material, que pode ajudá-lo nesse diagnóstico.

A seguir, apresentamos os jogos de alfabetização desenvolvidos pelo CENPEC. Os três requerem que o alfabetizando já tenha alguns conhecimentos sobre o sistema alfabético de escrita. É desejável que conheça o alfabeto em pelo menos um tipo de letra (em geral de forma maiúscula) e que já saiba que as letras representam sons da fala. Esses jogos auxiliam na ampliação e consolidação desses conhecimentos. 

Em Conquista da palavra, o foco é reconhecer o alfabeto nas formas mais usuais de representação: imprensa e cursiva, maiúsculas e minúsculas. Mas não se trata apenas de reconhecer letras isoladas e sim verificar se pertencem ou não a determinada palavra. Isso exige que o jogador pense sobre os sons (fonemas) envolvidos na palavra e as letras que podem representar esse som na escrita.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 20160126170853-jogo-fotografia.jpg

No Jogo da fotografia, o foco recai ora sobre a relação entre fonema e letra (ou dígrafo), ora sobre a relação entre fonema e sílaba, sendo que a sílaba pode envolver um ou mais fonemas e, consequentemente, uma ou mais letras (ou dígrafo e vogal). 

Em Ataque das letras zumbis, o foco recai sobre letras que não fazem parte da palavra ou estão posicionadas de forma errada. Durante a alfabetização, é comum os aprendizes adicionarem letras desnecessárias às palavras, algumas vezes por confundir o som do nome da letra com o som que ela assume na palavra (por exemplo, BEOLA em vez de BOLA); outras vezes, por considerar que uma palavra tem mais letras do que realmente tem; ou ainda, na dúvida entre usar uma letra ou outra, decide colocar as duas que julga representar determinado som. A inversão de posicionamento também pode ocorrer, tendo em vista a busca de regularidades do sistema. Por exemplo, quando o alfabetizando escreve SECOLA em vez de ESCOLA, ele está lidando com a hipótese de que as sílabas seguem sempre o padrão consoante/vogal. 

Desdobramentos

Aproveitando a motivação dos alunos para ter sucesso no jogo, você pode elaborar com eles algumas atividades envolvendo as palavras dos jogos e as habilidades requeridas para um bom desempenho. Assim, você pode propor:
• bingo com as letras do alfabeto em suas diferentes formas;
• jogo da forca, caça-palavras ou cruzadas com as palavras envolvidas nos três jogos;
• desafio – em duplas, um estudante dita para o outro as palavras que considera mais difíceis nos jogos;
• confecção de quebra-cabeça – cada aluno escreve uma das palavras do jogo em uma tira de cartolina e recorta as letras ou as sílabas; em seguida, troca com um colega para que seja feita a recomposição da palavra;
• montagem do sistema solar aproveitando as palavras do jogo Conquista da palavra;
• leitura de livros de literatura com temas e personagens relacionados aos jogos (aventuras espaciais ou submarinas, extraterrestres, zumbis etc.) ;
• criação de histórias coletivas, em duplas ou individuais com enredos e personagens relacionados aos jogos.

Para avaliar

É interessante, após o jogo, fazer com os alunos uma avaliação em forma de roda de conversa: o jogo foi fácil, difícil, divertido etc. Quais foram as maiores dificuldades? Vale a pena anotar essas observações para auxiliar no trabalho sistemático sobre a aprendizagem da língua.

Analise se, ao propor outras atividades envolvendo as habilidades exploradas nos jogos, houve progressos nos estudantes:
• Eles reconhecem e são capazes de usar diferentes tipos de letra?
• Melhoraram quanto à capacidade de relacionar som (fonema) e letra (grafema)?
• Ao escrever, estão usando as letras que de fato fazem parte da palavra?
• Aprenderam que as sílabas podem ter diferentes arranjos e quantidades de letras?
• Ampliaram repertório de palavras para leitura e escrita? 

Para saber mais

MORAIS, Artur Gomes de. Por que defendemos um ensino sistemático da escrita alfabética? In: PNAIC (Pacto Nacional pela alfabetização na idade certa). A oralidade, a leitura e a escrita no ciclo de alfabetização (Caderno 5). Brasília: MEC, 2015. p. 59-67.
______. Sistema de escrita alfabética. São Paulo: Melhoramentos, 2012. (Coleção Como eu Ensino).
Estudar pra Valer! Módulo Introdutório. São Paulo: Cenpec, 2005.
SOARES, Magda. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação, n. 25, jan.-abr. 2004.