O papel do território na educação integral e inclusiva

-

O papel do território na educação integral e inclusiva

Confira entrevista com a arquiteta e educadora Beatriz Goulart
Imprimir

Em outubro, as OSCs participantes do Programa Itaú Social UNICEF iniciaram uma nova etapa do percurso formativo, voltando seu olhar para o território em que atuam. Na Estação 2: Olhar para fora, o reconhecimento parte da escuta das crianças e adolescentes atendidos, suas famílias, além de outros sujeitos e instituições locais. A articulação com o território é fundamental no conceito de educação integral e inclusiva adotado no Programa, e um de seus três eixos, ao lado do desenvolvimento institucional e do desenvolvimento integral de crianças e adolescentes. 

Beatriz Goulart
Foto: arquivo pessoal

Em entrevista ao Programa, a arquiteta-urbanista-ativista Beatriz Goulart falou sobre os conceitos que orientam a construção de territórios educativos e a importância da articulação com a comunidade:

… há uma pedagogia dos lugares, assim como uma territorialidade das ações educativas. Os espaços ensinam e a pedagogia cria ambientes.”

Beatriz Goulart

Beatriz, que também é professora da Fábrica-Escola de Humanidades, de Ensino Médio, e fundadora e membro do Centro de Referências em Educação Integral, ainda falou sobre as potências possíveis em tempos de pandemia, isolamento social e redução de direitos.

O vínculo da escola com o espaço doméstico abriu esta fresta por onde nascem narrativas que apontam para outras possibilidades de usos e apropriação dos espaços da escola e da cidade. O movimento de solidariedade em torno da pandemia também nos abre outras formas de diálogo e planejamento em torno da função social da escola, para além de cuidarmos de garantir os direitos de aprendizagem especificamente curriculares.”

Beatriz Goulart

Leia a entrevista completa na página do Programa.


Veja também