Direito à cultura escrita

-

Direito à cultura escrita

Confira 10 materiais formativos que selecionamos em celebração ao dia 8 de setembro
Imprimir

Ler e escrever são habilidades cada vez mais necessárias na atualidade. O domínio da língua escrita está presente nos atos mais cotidianos, como ler uma placa de rua, comparar o preço de mercadorias no mercado, ler a bula de um medicamento, trocar mensagens nas redes sociais, compreender e responder a um email de trabalho.

A prática da leitura e da escrita, no entanto, não se limita à dimensão individual e familiar. Ela está associada ao exercício pleno da cidadania, que envolve a consciência de nossos direitos e deveres dentro de uma sociedade democrática.

Placa de argila com escrita cuneiforme, de origem Suméria, encontrada no Iraque
Escrita cuneiforme encontrada no Iraque. Foto: Fedor Selivanov / Shutterstock

Embora perpasse todas as esferas sociais, é a escola a principal responsável pela inserção das novas gerações na cultura escrita. Cabe a ela garantir que os estudantes, independentemente da idade, possam se alfabetizar e se letrar, a fim de terem acesso ao conhecimento construído pela humanidade e transmitido grande parte graças à escrita.

No Brasil, a taxa de analfabetismo tem caído significativamente. Em 1872, 82% da população não era alfabetizada, passando a 57% em 1950 (Censo IBGE). Hoje, a taxa é de 6,8% entre pessoas de 15 anos ou mais (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – Pnad/IBGE). Essa queda certamente tem relação com as políticas educacionais no sentido de universalizar o acesso à educação pública. No entanto, ainda há muitos desafios relacionados a desigualdades sociais, de gênero e outras.

Criança escrevendo
Foto: ABr

Tendo em vista a centralidade da língua escrita em nossa sociedade, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) criou, em 1967, o Dia Mundial da Alfabetização, celebrado em 8 de setembro. A data reforça a alfabetização como um direito humano, segundo a Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) e a importância da leitura e da escrita para o desenvolvimento social e econômico no mundo todo.

Para comemorar esta importante data, o CENPEC Educação selecionou uma série de materiais relacionados ao tema. Confira!

Das primeiras letras aos multiletramentos: especial relembra tendências e práticas do ensino-aprendizado da língua escrita

Especial Aprendizado inicial da escrita: proposta de Magda Soares articula as fases da psicogênese à consciência fonológica

O que é alfabetização científica e cartográfica? Que relações o conceito de alfabetização tem com ciências e geografia?

Alfabetização em qualquer idade: Antonio Batista destaca a alfabetização como direito a ser garantido a todas as pessoas 

Jogos de alfabetização: brincar com palavras é uma forma interessante de ajudar as crianças a descobrir as relações entre os sons e as letras 

Cooperação internacional para alfabetização: Cláudia Vóvio fala da elaboração de materiais de EJA em São Tomé e Príncipe

Alfabetização e letramento indígena: como o ensino-aprendizagem da língua portuguesa dialoga com a diversidade cultural dos povos originários?

O rapto da vaca sagrada: a divertida história do sumiço de uma vaquinha é a narrativa desse livro digital interativo voltado para crianças em alfabetização

Alfabetização e multiletramentos: Roxane Rojo (Unicamp) discute o papel da escola no contexto das tecnologias digitais

Brincando no baú da oralidade: como as brincadeiras orais podem contribuir para o desenvolvimento e a aprendizagem das crianças?