Adolescentes, evasão escolar e violência

-

Adolescentes, evasão escolar e violência

Estudo da Unicef Brasil mostra relação direta entre evasão escolar e violência entre jovens
Imprimir

Na segunda-feira (17), o Museu do Amanhã (RJ) recebeu o seminário “Educação é proteção contra violência” que contou com a presença de alunos de colégios públicos e particulares, educadores e especialistas. O evento foi organizado pelo UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância); e a ONG Cidade Escola Aprendiz.

Seminário no Museu do Amanhã reuniu diversos especialistas em educação e estudantes da rede pública.
Foto: Yasmim Restum/Ponte Jornalismo.

Segundo a Ponte Jornalismo, que cobriu o seminário, a educação foi consensual entre os participantes, como o principal meio de combater a violência no Brasil, especialmente entre jovens. A agência destacou dados do Unicef e do DataSus (Ministério da Saúde), que explicitam a relação entre as taxas de assassinato de crianças e jovens, e de evasão escolar.

No Ceará, desenvolvemos um estudo que mostrou que 70% dos adolescentes assassinados estavam fora da escola há mais de seis meses.”

Florence Bauer

Florence Bauer da Unicef Brasil.
Foto: João Laet / Divulgação UNICEF
Florence Bauer da Unicef Brasil.
Foto: João Laet / Divulgação UNICEF

Representante do UNICEF Brasil, Florence Bauer lembrou à equipe da Ponte Jornalismo que o Brasil tem o número mais alto de crianças e adolescentes mortos por dia. Para Bauer, a escola é a melhor forma de proteger os jovens contra a violência, porém, ao mesmo tempo, a violência impede que centenas de meninos e meninas frequentem a escola.

Em entrevista à Ponte Jornalismo, o estudante Patrick Medeiros, integrante de projetos da Unicef, ressaltou que a exclusão de jovens da elaboração e implementação de políticas públicas dificulta a prevenção da violência. Medeiros entende que, por não exercitarem os próprios direitos, os jovens não percebem que eles são violados.“Eles (os direitos) já (nos) são negados desde sempre”, afirma.

Se o Estado não trabalha com quem sofre a violência, não faz sentido. Participar é proteger.”

Patrick Medeiros

Entre os temas do debate, foram apresentados os diferentes tipos de violências sofridas pelos jovens no âmbito escolar. E, diante do cenário atual, em especial da emenda constitucional 95 – a “PEC do teto”, que limita os gastos públicos por 20 anos –, os participantes discutiram as consequências da medida para o futuro da educação brasileira.

Vídeo completo do primeiro dia do seminário
“Educação é Proteção Contra a Violência”

Leia a reportagem

Saiba mais