9 entre as 10 melhores escolas em leitura estão no Ceará

-

9 entre as 10 melhores escolas em leitura estão no Ceará

Reportagem do Estadão apresenta a história de alfabetização de três alunas moradoras de Granja (CE) para refletir sobre os fatores que tornaram um sucesso a política de alfabetização no estado nordestino
Imprimir

No Brasil, os alunos de 8 anos que tiraram as melhores notas em leitura e em escrita, na Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA) 2018, estudam na Escola Nossa Senhora Aparecida, em Granja, a mais de 300 km da capital Fortaleza (CE). A escola está localizada na zona rural do município, que abriga nove entre as dez melhores escolas no ranking nacional de leitura, segundo tabulação do jornal O Estado de S. Paulo.

As crianças que melhor aprenderam a ler e escrever no Brasil são oriundas de famílias com pouco acesso à cultura letrada e que vivem da agricultura de subsistência. Mas as escolas de Granja não são um caso isolado no estado. Há quase 100 km dali, no município de Sobral, mais de mil alunos obtiveram a média mais alta em leitura e escrita no Brasil, também segundo dados da ANA.

Sobral começou sua revolução na educação justamente apostando na melhoria da alfabetização.
Ensino de leitura em Sobral (CE).
Foto: Reprodução

Quais são os fatores que levaram as escolas dessa localidade ao sucesso na alfabetização de suas crianças? Para o secretário de educação de Sobral, Herbert Lima, o segredo está relacionado a não se perder em polêmicas em torno dos métodos de alfabetização: “Não faz sentido discutir método. Conhecer, extrair dele o que é mais importante é estratégico, fundamental”, afirma.

Além da combinação de diferentes métodos e ferramentas de alfabetização, práticas de letramento associadas ao ensino sistemático das relações entre letras e sons, as escolas públicas dessas redes contam com formação mensal oferecida pelas secretarias de educação, metas de aprendizagem definidas e sistema de avaliações.

A continuidade das políticas educacionais ao longo de duas décadas é fundamental para o êxito na alfabetização dos estudantes nessas localidades, afirma a reportagem.

Leia na íntegra
(Acesso ilimitado a assinantes. Aos demais, a leitura no site é restrita a 5 conteúdos mensais)


#CENPECexplica: Alfabetização em foco

Carlota Boto: entre o político e o pedagógico

Antonio Batista: múltiplos saberes em torno da alfabetização

Magda Soares e Maria Alice Junqueira (CENPEC Educação) comentam cartilha da Política Nacional de Alfabetização

Liane Araújo (UFBA): fala e escrita em diálogo na alfabetização


Leia também

Formação continuada e educação no Semiárido

Programa Alfabetização na Idade Certa (Paic) promove equidade

Entrevista com Márcia Campos: estado e municípios pela erradicação do analfabetismo no Ceará (2014)