No escurinho do cinema

-

No escurinho do cinema

Minicontos bem-humorados inspirados em clássicos do cinema. Publicados originalmente na Plataforma do Letramento em 2014
Imprimir

Por Jorge Miguel Marinho

Os minicontos, com brevidade, estão sempre com a câmera ligada para captar sentimentos enormes: a solidão, a amizade, a despedida, a paixão, a espera. Por isso mesmo, eles adoram dar um take na magia do cinema. É como se essas narrativas fotográficas fizessem uma parceria com a arte cinematográfica e decidissem criar shortcuts. O resultado é um feliz casamento da imagem visual com a precisão instantânea da palavra.

O que existe é uma cumplicidade visível entre a cena súbita, momentânea e repentina dos filmes e o sentido fotográfico, rápido e premente de uma breve história. História que precisa de toda a concisão para capturar a fugacidade da vida.

Portanto, luz, câmera, ação – que os minicontos deixem rolar um close-up e revelem, como um cameramanobstinado, pequenos instantâneos que curtimos no escurinho do cinema e persistem no flashback da memória e da imaginação.

Jorge Miguel Marinho

Professor de Literatura Brasileira com pós-graduação pela Universidade de São Paulo (USP), coordenador de oficinas de criação literária, dramaturgo, roteirista, ator, pesquisador de componentes lúdicos na crítica literária com os livros Nem tudo que é sólido desmancha no ar – ensaios de peso e A convite das palavras – motivações para ler, escrever e criar, autor de livros de ficção literária, entre eles, Te dou a lua amanhã – uma biofantasia de Mário de Andrade e  Lis no peito – um livro que pede perdão, premiados com o Jabuti.