Quais são os avanços e retrocessos da terceira versão da Base Nacional Curricular?

Quais são os avanços e retrocessos da terceira versão da Base Nacional Curricular?

VIA NET EDUCAÇÃO | 21/6/2017

Um documento para estabelecer os direitos e objetivos de aprendizagem em cada segmento de ensino. Esse é o objetivo principal da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). A ideia, como o próprio nome sugere, é que o documento ofereça subsídios para que redes e escolas elaborem seus programas de ensino. Ou seja, ela oferece a base sobre qual devem ser construídos os currículos.

 
Depois de passar pela redação de especialistas, ser submetido a consulta pública no site do Ministério da Educação (MEC) e ser discutido em encontros promovidos pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e pela União Nacional de Dirigentes Municipais de Educação (Undime), o texto chegou a sua terceira versão e foi encaminhado para o Conselho Nacional de Educação (CNE). O órgão irá revisar o trabalho e sugerir ajustes antes do início da fase de implementação, que deverá começar em 2018.
 
A nova versão do documento tem suscitado intenso debate no meio educacional. Afinal, quais são os pontos positivos e negativos da atual redação? O que está em jogo nesse momento? Para responder a essas e outras perguntas, veja o vídeo com a entrevista da superintendente do Centro de Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), uma das organizações participantes do Movimento pela Base, Anna Helena Altenfelder, e do professor de políticas públicas da Universidade Federal do ABC (UFABC) Salomão Ximenes. 
 
Na primeira parte desse debate, eles falam sobre o processo de discussão para elaboração da BNCC, seu papel na educação brasileira e o impacto da ausência de indicações sobre e para o ensino médio.

 

Compartilhar:

Deixe um comentário

You must be logged in to post a comment.

/* ]]> */