A proposta do MEC para o ensino médio trará bons resultados?

A proposta do MEC para o ensino médio trará bons resultados?

Jornal Estado de S.Paulo | 09/02/2017 

SIM. Não existe bala de prata na educação, não há ação única que possa resolver todos os problemas. Mas a reforma vai melhorar bastante o ensino médio, o que é feito importante porque essa é uma das etapas mais problemáticas que temos hoje. 

A flexibilidade é apontada por especialistas como uma das características mais importantes, já que o aluno está em uma idade em que é fundamental que possa fazer escolhas, decidir quais percursos de aprendizado quer seguir. Também é uma mudança positiva porque dará a oportunidade de fazer um curso que dê profissionalização e inserção precoce no mercado.

Não podemos esperar que se vá mudar tudo da noite para o dia. A melhora no ensino médio passa também pela formação dos professores, material didático e condições de funcionamento físico das escolas. As mudanças do currículo e de formato do ensino são importantes, mas sozinhas não vão resolver. A reforma é positiva por modernizar essa etapa de ensino e ficar mais próxima das demandas do jovem. Ela trará bons avanços para a nossa educação.

GUIOMAR NAMO DE MELLO É DO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE SP

———-

NÃO. Alteração de tal expressão exigiria amplo debate com a sociedade e não discussão restrita e apressada, que pode resultar na ampliação das desigualdades educacionais. O texto abre precedente para a privatização de algumas atividades no ensino médio. Isto porque componentes que não têm caráter obrigatório poderão ser oferecidos na modalidade a distância ou por meio de parcerias. As desiguais chances que Estados e municípios terão para fazer essas parcerias não foram discutidas. Tampouco se discutiu se queremos uma escola público-privada. Queremos?

E o ponto mais grave: os itinerários formativos serão oferecidos apenas de acordo com as capacidades das redes de ensino e não de acordo com os contextos locais e com as ambições e demandas das diversas juventudes. As políticas para o ensino médio devem assegurar que todos os alunos – sobretudo os que têm como única opção tempo parcial ou noturno – tenham acesso aos mesmos conhecimentos que aqueles que estudam no diurno e no tempo integral.

ANTÔNIO AUGUSTO GOMES BATISTA É COORDENADOR DE DESENVOLVIMENTO E PESQUISAS DO CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS CENPEC

Para acessar a publicação original, clique aqui 

Compartilhar:

Deixe um comentário

You must be logged in to post a comment.