Jovens dão aula de cidadania

Jovens dão aula de cidadania

Confira o último artigo de Maria Alice Setubal, presidente do Conselho Administrativo do Cenpec, na Folha de S.Paulo de domingo (06/12).

A ocupação de quase 200 escolas da rede estadual de ensino de São Paulo requer uma reflexão mais profunda. Os estudantes estão mobilizados há mais de dois meses e torna-se impossível não associar essas ações às manifestações de junho de 2013, quando os jovens tomaram as ruas clamando por uma educação de qualidade.

Até hoje, governos nas esferas federal, estadual e municipal não souberam dar uma resposta consistente a esse clamor por mais democracia e serviços de melhor qualidade.

Enquanto muitos lamentam e outros buscam soluções para a baixa audiência do ensino médio –resultado das altas taxas de distorção idade-série, da evasão e do abandono que assolam principalmente adolescentes e jovens–, assistimos agora, no Estado de São Paulo, estudantes, pais e professores questionarem a proposta de reorganização das escolas.

A falta de diálogo com a comunidade escolar, assim como a falta de transparência dos critérios que embasam e justificam a proposta do governo, corroboram para que muitas questões ainda estejam em aberto: Quais são os resultados esperados dessa política? Como funcionará essa nova escola? Qual é o projeto para cada ciclo?

A escola tem um impacto grande na logística e no cotidiano de uma parcela importante da sociedade. O fechamento ou a transferência de uma instituição para outra acarreta quebra de vínculos e enorme insegurança para jovens, professores, pais e para a própria escola, que tem uma história e uma cultura próprias.

Apesar das precárias condições de funcionamento das escolas e da baixa qualidade do ensino, resultado de inúmeros fatores, a maioria dos alunos termina o ensino médio.

Eles sabem que concluir a educação básica é pressuposto para concorrer às melhores vagas no trabalho ou para ingressar no ensino técnico e na universidade.

A escola é fundamental para a ampliação das oportunidades da imensa maioria de brasileiros. Um espaço de acesso ao conhecimento, de emancipação cidadã, de convivência, da formação de valores do bem comum e do espaço público.

Também é ponto de encontro entre jovens que muitas vezes não têm outros espaços de lazer, dada a precariedade e vulnerabilidade de muitos dos territórios das periferias. Contrariando o senso comum, os jovens não estão apáticos e alheios ao que passa a sua volta.

É preciso escutá-los. As ocupações, assim como as manifestações de junho, são emblemáticas para essa discussão, pois apresentaram diversos elementos que se configuraram em ação direta, como o uso das tecnologias e a ocupação dos espaços públicos.

São exemplos de participação e de cidadania que podem e devem ser ampliados, inclusive na discussão da Base Nacional Comum Curricular.

Os estudantes lutam por suas escolas e reivindicam tempo para debater a proposta da Secretaria da Educação estadual.

Querem ter autoria nesse processo e não se deixam liderar por organizações e movimentos que lhes prestaram apoio.

Tal protagonismo, que contou com o apoio da sociedade civil, culminou com o anúncio, por parte do governo do Estado, do adiamento da reorganização, com a intenção de que ela seja discutida em cada uma das escolas em 2016. A decisão provocou o pedido de demissão do secretário de Educação de São Paulo, Herman Voorwald.

Com isso observamos a participação social da juventude frente aos desafios da contemporaneidade, cuja essência é a afirmação do sujeito que deseja escrever sua própria história.

MARIA ALICE SETUBAL, a Neca, doutora em psicologia da educação pela PUC-SP, é presidente dos conselhos do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária – Cenpec e da Fundação Tide Setubal.

Compartilhar:

Deixe um comentário

You must be logged in to post a comment.

/* ]]> */